A esperança é o Senhor

Maldito o Homem que confia no Homem e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor, e bendito o varão que confia no Senhor, e que cuja a esperança é o Senhor. Enganoso é o coração, mais que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Nós estamos diante de um grande problema, as consciências humanas, a consciência é um complexo único e indecifrável, ninguém sabe como cada consciência confecciona o entendimento dentro dela. Existe um caminho de verdade que conduziria a consciência a próxima etapa da vida, e este caminho já está dentro de cada consciência, mas acontece que todas as consciências são cegas no entendimento, pois todas elas têm o raciocínio atrofiado e costumam ver as coisas invertidas dentro delas. O raciocínio é que se encarrega de inverter o entendimento e faz com que enxergamos as coisas como realmente são. É como o olho humano que vê todas as coisas de ponta cabeça, e é o nosso cérebro que faz a inversão da imagem, colocando-a na posição real, mas no caso do entendimento o raciocínio é atrofiado e a consciência vê as coisas invertidas, de ponta cabeça, para elas o absurdo tem lógica e o racional não, invertendo assim o entendimento dentro delas, como Paulo disse: mudaram a verdade de Deus em mentiras, e serviram e honraram mais a criatura do que o Criador que é bendito eternamente.

Dentro da consciência, ao invés da criação fazer a vontade do Criador, ela diz que é o Criador que tem que vir fazer as vontades da criação. As consciências dizem que não é o Criador que precisa da criação, mas que é a criação que precisa do Criador. Ora, pois, não é o Homem, como criador, que precisa da sua criação avião para voar? Não é o Homem, como criador, que precisa da sua criação caneta para escrever? Ora, pois, por onde todas as coisas se manifestam? Porventura não é na consciência? E quem produz a consciência? Porventura não é a criação humana? Todo criador precisa do que a sua criação produz para o seu benefício, não tem lógica dizer que Deus não precisa da sua criação humana, pois se não precisasse porque a criou, só para lhe dar trabalho? Em si mesmo, o nosso corpo carnal, não interessa a Deus senão pelo que produz, assim como em si mesma, a caneta como criação, não interessa ao Homem senão pela escrita que produz, pois quanto vale uma criação que não produz nada? O valor de uma criação está no que ela produz, pois, o criador já a criou pelo o que a criação produz. Só que a consciência que interessa ao nosso Criador-Deus, é a consciência do espírito que Ele nos assentou pela vida, isto é, nós, como criação, devemos produzir consciência deste espírito que já nos vivifica, e andarmos por ele. Com este nosso corpo carnal, as nossas consciências já sabem que não vão muito longe, pois logo ali a frente ele morre e nunca mais novamente, ou as nossas consciências prosseguem com o espírito de Deus, ou simplesmente cairão no vazio eterno sem volta, e o mais incrível é que já estamos dentro disso e toda consciência sabe do que estou falando. Não adianta criar alusões de salvação, porque existe apenas uma verdade e devemos nos certificar dela, pois errou no entendimento, basura eterna.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − oito =