Alma lavada

Veio à tona a saudade

Boiando em praias do destino

Era grande a irmandade

E hoje não somos nem mais primos

 

Eu brincava e não sabia

E a verdade em cordel

Fui viver em fantasia

Eis minha casa, agora, um bordel

 

Não queria que fosse assim

E contava com o tal perdão

Mas hoje vejo que foi o meu fim

Pois escolhi o caminho da ilusão

 

Meus irmãos me repudiam

E me apedrejam sem razão

Cada um com seu pecado

E não há violação

 

Deus não vê aqui de fora

Mas visita a nossa mente

O que tive foi só um surto

Desta carne inconsciente

 

Mas a minha alma reluta

E hoje eu estou de luto

Passo o tempo refletindo

No pai do filho pródigo e ainda luto

 

Recebeu seu filho sorrindo

Ao retornar a casa mórbido

Seu irmão contendeu arguindo

A barbárie de seu pai tão sóbrio

 

Mas o amor sobrepujou

Caso não peques mais

E a dúvida não pairou

Pois esta história acaba aqui, sem mais

 

A vida ainda continua

E o que será depois de mim?

Com certeza é o que eu espero, minha fuga

Se a minha alma for fiel até o fim

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 2 =