Alma pura

Quando criança se deparou com a morte, aquilo lhe chamou a atenção e queria saber para onde o defunto tinha ido, viu o corpo esparramado no chão, passava sua mão em frente os seus olhos, mas ele não se mexia. Sabia que o corpo estava ali, estendido no chão, mas a criança se perguntava: para onde ele foi? Ele quem, se o corpo continuava ali a sua frente? Sabia que tinha algo por detrás, e foi atrás de descobrir a razão da existência humana, saber para onde iríamos depois da morte.

Foram longos anos de busca do lado externo, até que um dia, cansado de suas buscas e não encontrar nada, voltou para dentro, jogou tudo para o alto e questionou ao Criador Deus: se o Senhor não me revelar o porquê criou o ser humano na Terra, vou me perder, mas me perderei feliz, pois eu fui atrás da razão da vida e o Senhor não me revelou, mas caso me revelar estou disposto a fazer o que for preciso e realizarei a Tua vontade. Assim aconteceu, a partir daquele momento abriu seus olhos do entendimento e o moço, agora já um homem, enxergou todo o propósito de Deus.

Sua primeira ação foi querer falar a todos a tal grandeza que tinha descoberto, a razão da existência humana, começou a falar logo dentro de sua própria casa, mas quem disse que alguém lhe deu ouvidos!? Verdade é que os ouvidos dos outros eram tampados, seus olhos do entendimento eram cegos, como enxergar tal grandeza sendo cegos? O homem, não se conformava com o desprezo que davam a uma tal grandeza que para ele era tudo tão nítido e claro, mas ele continuava a falar com a sua eloquência em querer ver se alguém enxergava tal grandeza que seria para o bem de todas as almas.

Até que alguns começaram a lhe ouvir, prestar atenção, mas verdade é que ninguém enxergava com seus próprios olhos, mas enxergava pelos olhos deste irmão que é tão fiel e temente a Deus. Às consciências são dispersas, querem as coisas para agora, não conseguem ver lá a frente, a eternidade para elas é tão distante, mas verdade é, que já estamos dentro da nossa eternidade consciente, só precisamos ver a eternidade que as nossas consciências querem para si mesmas, uma eternidade com a vida do espírito de Deus ou uma eternidade no vazio do breu.

Cada um é que deve sentir, cada um é que tem que enxergar, cada um é que deve se relacionar com o teu senhor, até se tornar o senhor. Um novo coração, uma alma pura, sem manchas, sem maculas, um novo ser, puro, divino, que não tem nada a haver com este mundo passageiro. O espírito de Deus veio a cada um de nós só de passagem, para buscar a consciência que produzimos como criação, mas esta consciência deve enxergar por si mesma, se entregar a ele e deixar que ele faça a obra de Deus dentro dela, até se tornar em alma, pura, sem nenhuma mancha carnal, nenhum sentimento deste mundo, só assim o espírito se alegrará da consciência e a levará ao seu reino eterno de paz. Lá nos veremos pelo espírito, assim como hoje nos vemos pela carne, este lugar existe, já tem hoje às consciências no céu pelo espírito que realizaram o propósito da vida nelas quando passaram por todo este processo, pelas fases da vida, até se tornarem em seres espirituais. Hoje é a nossa vez, estamos passando por esta fase humana até transpassarmos para a fase espiritual e termos a nossa vida eterna pelo espírito no reino celestial.

 

Por Kátia Campos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + três =

Categorias

Postagens Rescentes