Anel de selar

Cele teu animal, e coloque teus olhos a encarar o pó não por voltar-se a ele, mas em sinal de respeito, porque em ti há uma porção celeste. Há de enfrentar tempestades, ventanias impetuosas, porém, sede firmes, se estabeleça na rocha que em ti foi assentada. Tua história já foi predestinada e o script já escrito pelo Autor da vida, Ele colocou cada letra em seu devido lugar para que o enredo tivesse um início, um meio, porém, do Seu desejo não quer que haja fim, mas que seja acentuada suas reticências em cada coração. Sede simples e se volte ao céu interno, contemple a estrela que lhe traz luz, que lhe aquece, a estrela que quer tornar-te dia. Porque o anjo do senhor não veio a ti somente para lhe dar a vida, mas ele é o braço que te levanta, os pés que te fazem caminhar e em suas mãos, com maior cuidado e zelo, trouxe um anel de selar, um arco-íris invisível aos olhos terrenos, mas visto pelos simples de coração. Uma conciliação entre o puro e o eterno, e para que isto aconteça há de ser sincero, com o que quer, como que sente, uma folha de bem-me-quer em meio à guerra insistente. Mas alegra-te ó coração contristado, porque o senhor se fortalece onde há luto, e faz hastear a bandeira da esperança naquele que não se deixa abater.

 

Por Patrícia Campos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × um =

Categorias

Postagens Rescentes