Ao lado dos vagabundos

Pensa numa alma desanimada

Que não tem mais o que fazer

Tudo é o amargo da vida

Tudo é só o desprazer

Não tem remédio para essa dor

Não tem mais cura, só o fenecer

Quando alguém me fala dos bens do mundo

Eu só posso dizer que a vida não tem mais valor

E todos gritam seus desejos infames

E sentem na alma vazio e ardor

Eu só fico na espera dos vagabundos

Não tem mais jeito de consertar

Fico de lado observando o crepúsculo

Não vejo saída para que possam mudar

Tudo por aqui já pereceu

Mas amanhã quem sabe, um outro dia

Deus pode me chamar e me encontrarei com Ele

Tudo aqui acabará, essa é a sina

A minha vida será outra

Outro plano, novo lugar

Onde não há espaço para almas indoutas

Paz perpétua, verdadeiro libertar

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + seis =

Categorias

Postagens Rescentes