Basta acender

A consciência não é o que fala a boca, mas é o que sente o coração, como que uma consciência pode passar o sentimento do que ela não é? O sentimento é uma coisa natural e não forçado. Eu sinto se uma consciência é ligada a carne ou se é ligada no espírito, jamais uma consciência ligada a carne sente a liberdade do espírito e vice-versa. A consciência ligada a carne, se sente presa quando tem que andar pelo espírito, se sente forçada e é por isso que a coisa fica emperrada, parada, não há transformação, pois para ter a ação do espírito na consciência, ela deve querer de todo coração. Quando ela própria descobre esta verdade em si, ela passa a sentir necessidades pelo espírito e passa a compreender que não é mais as suas vontades, mas sim as vontades do espírito de Deus, as suas preocupações não são mais carnais e sim espirituais. A própria consciência cresce em espírito, e o espírito cresce por ela, é só uma questão de posicionar, enxergar, sentir e por fim, andar dentro dessa verdade, basta acender. Basta acender a luz da sabedoria e compreender cada palavra dita por Deus, e ter no coração apenas a intenção de servi-lo, sendo assim, a própria consciência se sente leve, os sentimentos são de paz, leveza, pureza, calmaria, e sensação de dever cumprido justamente por ela ser útil ao propósito de existir. Mas se a consciência não acender em si a luz da vida, se perderá na eternidade e a culpa será cem por cento dela, mas desde já todas carregam esse complexo de culpa, o fardo é pesado, os sentimentos são mesquinhos e tudo isso poderia ser tão diferente, bastava uma dose de compreensão e um puro coração.

Somando nossas luzes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − seis =

Categorias

Postagens Rescentes