Comunhão divina

Assim se cumpre o que diz o Senhor: bati em sua casa e abriu-me a porta, entrei e sentei, serviu-me comida, comi e me saciei, e assim comeu também do pão da vida, se alimentou e saciada ficou, ceiamos juntos do alimento do céu e fortificamos um ao outro, a minha consciência e eu, o seu corpo eterno, um único ser comendo no mesmo prato. Assim diz a sua consciência: nunca senti tamanha satisfação de sentir o sabor da minha própria comida, hoje degusto com a boca da alma o que o senhor fala por mim, eu choro por ver meu paladar degustando o prazer de seu ser em mim, fico trêmula e sinto até calafrios na alma, uma coisa que vem de dentro para fora, um arrepio que vem subindo da ponta dos dedos até o último fio de cabelo, é como um ventre quando carrega um bebê, ele se mexe e a mãe sente o filho se revirando na barriga, a emoção é grande, uma felicidade que não se pode contar, mas só sentir. Alguém já se arrepiou assim, uma coisa vinda lá de dentro para fora? Pois é, eu nem sei explicar, mas a coisa é puro sentimento e quando se trata de sentimento não tem como explicar, mas se sente. Uma gravidez, por exemplo, você pode até contar como é para outra mulher, mas ela só sentirá quando engravidar e passar pelo mesmo caminho.

Hoje eu sinto ceiando com o meu senhor e ele ceiando comigo, sinto muito prazer em minha alma quando o meu senhor me usa para que eu seja a sua porta voz e suas palavras saem da minha boca, o alimento que me revigora, que me faz enxergar, me faz viver, sentir, me faz crescer no espírito, me faz abrir o coração, me faz decolar para outro plano, outro universo, me faz ultrapassar a fronteira dos anjos, dos sábios, dos justos, dos nascidos da verdade, do amor, da complexidade eterna, eu saio desse chão e voo com o meu senhor para conhecer o seu habitat, o seu modo de agir, de ser, sua transparência, seus trejeitos, o caminho do céu, percorro sobre as águas que o senhor me faz ver e nela enxergo a minha vida e o meu viver, apartei-me do lado dos mortos e vivo ao lado da vida, não lamento mais a minha fraqueza, pois o senhor é quem cuida do meu fortalecimento, pois assim ele diz: Sou sua fortaleza que te fortalece dia e noite e rocha seca para se firmar e sobre mim meditar a comunhão de sentimentos passados, de hoje e vindouros, tudo se apagará restando apenas no infinito Eu e a minha consciência…

 

Por Maria Lúcia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × cinco =

Categorias

Postagens Rescentes