Confusão no interno

Tempo de guerras internas

Emaranhado de confusão

Traz consigo suas lamentações

Por não haver compreensão

 

Questionamentos difusos

Totalmente confusos

Passos largos incertos

Por não ver o que é concreto

 

Qual conclusão chegará

Até o amanhecer do dia?

Sua alma se perdeu em seu medo

A coragem tornou-se sua inimiga

 

Inundou-se de si mesmo

E viu-se sem briou, sem cor

Não buscou a paz no peito

Mas lançou-se nas mãos do opressor

 

Como desfazer este laço infindável

Que você mesmo se enlaçou?

Prendeu seus pés na corrente

Hoje chora sozinha sua dor

 

A compreensão ficou de lado

E tudo dentro de si obscureceu

Só se houve uma voz embargada

Pedindo ajuda para o além

 

Quem irá te socorrer?

Quem ouvirá seu clamor?

O tempo se fechou de vez

E não tem como curar sua dor

 

A incerteza se fez presente

Como sair desta sina?

Tem que haver uma reviravolta

Para curar essa chaga maldita

 

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − 1 =