Creca

Esta vida é engraçada, você nasce pelado e te põem algumas roupas, mas quando cresce, você tira aquelas roupas e compra as suas roupas, mas quem chega ao conhecimento dela, torna a ficar pelado, sobe ao céu e coloca novas roupas, mas quem não tira a roupa, eca, fica sujo e morre cego. É a maldição dos plebeus, nascem pobres, vivem pobres e morrem pobres, mas eu tenho o sangue nobre, nasci numa família real, busquei minha razão de existir e hoje sou de uma família do céu. O céu não é outro lugar, mas sim outro plano e só os puros de coração conhecem o caminho da razão. Fui buscar água na fonte, me banhei de corpo e alma e enchi meu cântaro sagrado e dei de beber também para o meu cavalo. Hoje, sempre vou a fonte, conheci o caminho das pedras, ela jorra dia e noite e minha alma anda satisfeita. Quem tiver água no balde, que não for da fonte limpa, vai lavar os pés na lama e acordar entre os vermes da terra e dentro de um absinto. O absinto é um fel, que amarga o céu da boca, tua alma fica triste, sem conhecer o Senhor da vida.

Hoje é o dia de vermos isto, irmos na fonte do saber, lavarmos a nossa consciência para que ela não venha a perecer. Sabe, quando era criança, minha mãe não soube me responder, eu buscava saber da vida e minha mãe não tinha nada a me oferecer, só mandou eu ir à igreja, mas logo vi que eles queriam me vender. Gastei com a filosofia, comprei livros e mais livros, só enchi a minha estante de vazios e vazios. Eu tentei a ciência humana, os pensantes e os tratantes, falam tanto deste mundo que parece até a casa deles. Foi então que resolvi conversar com o Autor da vida, perguntei se Ele estava me ouvindo, Ele disse que já me conhecia, e eu lhe disse: por que então não me mostrou nada? Ele disse: para você aprender que neste mundo ninguém conhece a razão. Eu lhe perguntei: mas por que demorou tanto tempo? Ele me respondeu: mas que tempo? De imediato vi que o Autor da vida, não conhece o tempo e nem o espaço, pois Ele vive o eterno, e hoje me faço esta pergunta: ter pressa para que? E foi dentro disso, que o Autor da vida me ensinou toda a sua razão, e hoje o que mais ouço na profissão que escolhi é: É SÓ AGUARDAR!

E foi assim que eu fui vestindo aos poucos as roupas do céu, não precisa ter pressa, e assim vou colocando peça por peça, um ajuste aqui, outro ali e estou ficando bonito, hein!? Quando chegar no meu lugar eterno de roupagem nova, todos vão me admirar, e enquanto estou passando por este mundo, vou vestindo também os meus irmãos, de vez em quando alguns deles sujam suas vestes com lama, daí precisa do sabão dos lavandeiros, daí eu esfrego, esfrego, até tirar todas as manchas, e enquanto eu ver uma manchinha, torno a esfregar e ponho na cândida. Não tem como entrar no reino do céu com a roupa manchada, como que uma consciência pode manchar de lama uma roupa que o Autor da vida nos deu limpinha? Muitos estão vestidos da carne, mas o Autor da vida nos deu um vestido branco de noiva, um traje celestial, e é por este traje que vamos entrar no céu, quando ouvirmos uma voz: Aí vem o noivo!

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 15 =

Categorias

Postagens Rescentes