Cuidar dos mortos

Deixa os mortos enterrar seus mortos

Tu, porém, vai anunciar o reino de Deus

Ninguém que lança mão do arado e olha para trás, está apto ao reino de Deus

 

Nem preciso poetizar

A própria vida poetiza por nós

Quem não cuida da vida

Cuida da morte e fica a sós

 

A vida é de graça

Mas morreu tem que pagar

Vai um caixãozinho aí seu Zé?

Cinco vezes no cartão é só passar

 

Eu, ofereço a vida eterna

Sem preço, sem dinheiro

Vinho e leite racional

Vida e o pão do céu

 

Eu trabalho na obra de Deus

Colho frutos para o espírito

O meu salário é a vida eterna

E vou cantando nesta jornada até chegar no meu destino

 

Que dia bom este da colheita

Só amor, carinho e paz

Grande alegria por um fruto bom

E assim vou vivendo neste mundo atroz

 

Dias de luta

Dias de prazer

Dias de chuva

Dias de sol

 

Não me importo o que dizem os ímpios

Já perderam a luta pela vida

Foram atrás de um morto

Não tem mais nada a perder

 

Tudo que querem está neste mundo

Mas não levarão nada daqui

Só a frustração de uma vida sombria

E querem derrubar quem está no caminho da vida

 

Quando uma consciência quer

Nada a derruba do caminho da vida

Não entram e não querem deixar ninguém entrar

Mas Deus está do nosso lado e com isto só vão se frustrar

 

O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 8 =

Categorias

Postagens Rescentes