De mim para mim mesmo XI

Houve um tempo onde eu não raciocinava nada, fazia tudo por impulso, tudo pela emoção do momento, sem me importar com sentimentos de ninguém, apenas o meu me importava, meus desejos, minhas vontades, apenas passava por cima de tudo e de todos. Não há como apagar o passado e simplesmente agir como se nada tivesse acontecido, ele martela o tempo todo em minha consciência, basta parar um pouco no tempo e me pego pensando em tudo que fiz ou deixei de fazer, ver que poderia ter feito diferente em muitos dos meus atos cometidos ao longo do tempo. Não há como apagar tudo o que já foi feito, me machuquei, machuquei pessoas, fiz tudo errado, pequei contra os Homens e contra Deus, e vida que segue, sem me importar com nada e com ninguém.

Até que em um determinado momento da vida, já bem calejado, foi-me apresentado uma nova palavra, uma única verdade, um único propósito, o espírito, que fez enxergar-me como consciência e que através dela posso raciocinar tudo que já havia feito e não feito, que posso tentar mudar toda esta situação, me entregando a este propósito, que até então não era conhecido por mim, e que não é meu, este vem de Deus. O propósito de Deus foi apresentado para mim, e tenho hoje a oportunidade de fazer tudo diferente, realizando-o em mim, tendo novas atitudes, sendo um novo ser, um verdadeiro renovo, uma verdadeira transformação. Sei que me vendo ainda não estou nem perto, de que esta metamorfose existencial tenha acontecido por inteiro, ainda estou longe disso, mas só de saber que estive enganado o tempo todo, e que agora posso fazer a diferença com esta única e verdadeira verdade, será só uma questão de tempo, caso minha consciência queira realmente e definitivamente a mudança e a redenção.

 

Por Régis Roberto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 1 =