Escolha errada

Sorriso cabisbaixo, semblante caído ao chão foi assim que te vi, olhar vazio, perdeu sua diretriz, deixou a faísca da vida de lado, e seus passos são tortuosos, não reconhece e nem sente mais a vida, anda como zumbi, como aqueles mortos. O que dizer para chamar sua atenção? O que falar para você compreender? Deixou aquele que te deu tanta sabedoria, e foi com os ignorantes viver do bel prazer. Sentiu o gosto amargo do fel em sua boca, não tem mais palavras do céu a falar, se fechou em seu mundo obscuro, e o seu raciocínio veio atrofiar. Oh! Triste alma, por que pegou o seu próprio caminho? Você criou suas próprias arapucas e pisou somente em espinhos, você não sabe nada, e acha que tudo resolve sozinho. As aparências dessa vida enganam, e você se entregou a vaidade, deixou a simplicidade da criança guardada no fundo do seu relicário. Você anda sujo e não sabe o por quê? Porque preferiu o presente século e com o Senhor você não vem a se envolver? É muito triste a realidade que vejo a olho nu, a vida sempre esteve ao seu lado e você se fizeste surdo e mudo, não se atentou para correção, daquele que faz sua alma viver, não ouviu a repreensão do Pai que ama seu filho para valer. E agora como despertar a alma que está na escuridão? Os sentidos foram danificados e hoje só anda na contramão, não se achega a luz porque as trevas já te consumiu, anda bem longe, e ainda diz: eu cuido de mim! O orgulho predominou, neste seu coração congelado nenhum sentimento da vida ficou! E agora o que resta em seu caminhar? Viver poucos anos dessa vida e uma eternidade no vazio enfrentar. É assim que planejou toda a sua vida? Será que o propósito você compreendeu? Pois você trocou uma eternidade de glórias eternad, para viver momentos de prazer pelo lopreu.

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − cinco =

Categorias

Postagens Rescentes