Espelho, espelho meu III

Um espelho mostra tudo que se põe a frente dele, assim também é a consciência que mostra tudo que se manifesta por ela, se a carne, a carne, se o espírito, o espírito. E vejo muito claro que todas as consciências querem se mostrar pela carne, mostrar que estão bem na carne, mas qual consciência deixa refletir o que tem dentro dela de verdade? O que querem mostrar são só aparências, coisas que não têm valor algum, e o que deve ser mostrado de verdade fica em oculto. É pela consciência que reflete quem sou de verdade, se por ela refletir só as coisas do lado de fora o meu eu é falso, pois sei que tudo que está do lado de fora é temporário, passageiro e não tem valor algum. O que deve refletir por meu espelho é o espírito da vida, a sabedoria divina, pois isto é a maior riqueza que uma consciência pode adquirir. Você não vê o espírito se manifestar por nenhuma consciência, mas sim as aparências deste mundo, como diz o ditado: por fora bela viola, mas por dentro pão bolorento. Tudo neste mundo é falso, nada é de verdade, tudo que você vê nas pessoas é só fachada, ninguém mostra ser verdadeiramente o que é. Por isso a minha grande preocupação é refletir por meu espelho somente o meu eu interno e eterno, e nada mais deste lado de fora. Ninguém sabe o que é refletir o seu eu verdadeiro, o seu eu eterno, a consciência quando está só, ela reflete a própria miséria e nunca fala a verdade do seu coração, mas quando ela está ligada no espírito, anda por ele, vive por ele, por si mesma reflete a alegria e a paz verdadeira. O meu eu sólido e eterno é o espírito que Deus me assentou pela vida, a carne é uma existência falsa e só quer mostrar aparência, esta deve ser aniquilada, extirpada de dentro de mim, e quem deve refletir por meu espelho é o meu eu verdadeiro, o espírito, o meu ser eterno.

Por Rozivane Pereira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + 17 =