A fé é muito subjetiva, isto é, relativo a sentimentos, impressões e opiniões pessoais e individuais, a fé pertence ao sujeito enquanto consciente, ou ainda, a fé é o domínio da consciência enquanto tal. Ninguém nunca falou da consciência como fruto da criação humana, só dizem que temos que ter consciência das coisas, mas ninguém relata a consciência, efetivamente, como um fruto do ser humano. Depois de tantos e tantos anos do ser humano na Terra, eu sou o primeiro que constatei esta grandeza, a consciência é o fruto que o ser humano produz como criação, ela é o elo perdido que explica a razão do ser humano. Na carne, somos criações descartáveis, o que prossegue com a vida é a consciência no espírito. Por isso a consciência precisa passar por uma metamorfose existencial, ela deve se desligar da carne que a produziu e se ligar no espírito pela vida eterna dela, o espírito de Deus já está dentro de cada um de nós pela vida, não o vemos por ele habitar outro plano, mas se o gestarmos por nossa consciência, ele mesmo nos transporá de planos e será o nosso corpo eterno lá no céu.

Parece uma coisa esdrúxula, mas é a verdade da nossa razão, nunca entendi o porquê ninguém se atenta para isto, uma coisa tão simples e importante de se ver e ninguém faz caso disso. Eu estou falando da nossa razão de existir, da sequência da nossa vida depois que o nosso corpo carnal morrer, da vida após a morte da nossa carne, esta vida carnal é provisória e todos sabem disso, não é porque a tua consciência tem fé em alguma coisa que vai acontecer. A fé é para acreditarmos nas coisas que existem e não vemos, e não para criarmos ilusões em cima do que não existe. O universo existe e acreditamos que ele foi criado pela palavra de Deus.

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário