Introspecção XIII

Se autoanalisar é uma arte, assim como reconhecer-se por dentro, pois somos o que está dentro e não o que apresenta ser por fora, é dentro que somos devedores, por fora enganamos pelas aparências, as larvas estão grudadas lá dentro apodrecendo o fruto, como diz, por fora é lindo, mas por dentro é sepultura e cheira mal. O caminho da vida é pura reflexão, é reconhecimento, contemplação, refletir dentro desse caminho me leva a desbravar a minha consciência, a ver como sou, o que tenho aqui guardado, é confuso, parece que não me conheço mais, foi tudo uma farça o que vivi, a estrada que caminhei, tudo ilusão, falo o hoje da minha vida e não o ontem quando não sabia nada de Deus, o agora é que é tudo contado, mas o que tenho feito desde que Deus se revelou a mim? O que mudou? O que deixei? Quais sentimentos perdi? Há de verdade amor, vivência no que eu descobri? O espírito veio a mim e hoje o vejo como o meu senhor, minha vida, meu corpo, minha simetria, meu salvador, mas será que lhe dou o devido valor? Será que o respeito? Ou será que pinto e bordo na frente do meu senhor e não estou nem aí? Verdade é que Deus um dia puxará o espírito de mim e se eu não estiver com ele vazio eterno. O meu entendimento mudou muito, pois do engano Deus me livrou, mas não adianta eu lavar somente o exterior do copo e deixar imundo o interior, não muda nada, não é fácil reaprender a pensar, raciocinar, formar ideia, determinar, agir por um novo corpo, novo plano, me reconhecer em outra identidade, outra localidade, novas personalidades, uma nova criatura, é uma reabilitação em uma nova estrutura, tudo tem uma evolução, mas se não vejo o surgir do que aprendi até agora, em nada mudei, tudo está como sempre foi, mas a força da palavra de Deus me levanta para apanhar de pé e também para fortificar, sei dentro do que estou, do Deus que me reviveu na estrada, do espírito santo o meu senhor que me faz sentir as dores dos meus erros, feitos e loucuras. A reflexão de mim mesma só passará a ser boa quando eu agir dentro do que descobri no desbravar da minha consciência, pois não adianta eu me acomodar e nada fazer, por isso uma análise perfeita é quando eu vejo e tiro aquilo que é mal e no mesmo lugar faço brotar o verdadeiro amor!

Por Maria Lúcia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − onze =