Liberdade plena

Eu sempre imagino crianças correndo pelos campos, carneirinhos saltitantes pelos gramados, passarinhos voando pelo meio das florestas, os sons das cachoeiras em meus ouvidos e as brisas da manhã na minha pele. Isto me dá a sensação de liberdade, de pureza, de simplicidade, de plenitude, como se não precisasse de mais nada. Andar descalços de pés no chão, sentir o pó e a respiração, os ventos da natureza e a pulsação do coração. Sentir a máquina que Deus criou sem nenhuma preocupação, olhar o sol, olhar as chuvas, olhar os ventos e a agricultura, ver as mãos de Deus e a sua sabedoria. Poder raciocinar e ver além do horizonte, ver tudo em seu lugar, as ordens de Deus e o seu ungido, enxergar o caminho do sol e a luz da sua sabedoria, estar dentro e não do lado de fora. Poder ouvir o silêncio, as palavras do amor, ditas em voz alta, vindas da boca do Senhor. Trilhar pelo caminho da vida e não ter nenhum temor, sentir o Altíssimo ao seu lado caminhando como se fosse o seu professor, o Mestre dos mestres te ensinando como chegar em seu resplendor.

Você sai do chão e começa a voar, os olhos começam a lacrimejar e o coração a pular, você perde o medo da altura e quer chegar as estrelas, quer tocá-las com seus dedos. Você não é mais eu, mas outro corpo te sucedeu, não sente mais a pulsação, mas uma grande emoção. Parece que o coração quer sair pela boca e você chega ao êxtase do êxtase, não quer sair mais do lugar. Perdeu todos os sentidos carnais, se ligou em outro ser, agora eu posso voar, como as borboletas que saíram de seus casulos. Sou uma borboleta rara, como as borboletas azuis, minhas asas são de cristais e o meu corpo produz a luz. Passei por uma transformação, agora Eu Sou o Senhor, o Senhor dos céus, o Senhor poderoso nas guerras. Eu mesmo forjei minha espada, a palavra que penetra os corações e que vai até a divisão da alma e do espírito. Tenho em minhas mãos o fogo dos ourives e o sabão dos lavandeiros, quem parará diante de mim? Quem suportará a minha purificação? O meu calor derreterá até o mais duro aço, sou um soldado do céu agora, mais um dos filhos do Altíssimo. Vim para decifrar os enigmas, trazer à tona os rascunhos da salvação, os profetas falaram o meu nome, com ciência e inteligência, quem lê entende. Não ouvirão o meu nome nas praças, e nem dirão: ei-lo aqui ou ei-lo ali, pois eu sou quem te dá a vida. Estou na tua boca e no teu coração para te servir de mim, fala que eu te escuto, sou eu quem já pulso o teu coração, eu não ando por este chão, mas o meu lugar é outro plano, se você me ver andando por aí de fusquinha vermelho, sabei que sou o teu irmão.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + dezessete =

Categorias

Postagens Rescentes