Manifestador de existência

Ninguém acredita em mim, mas eu descobri de fato a razão da vida e falo como o meu irmão Jesus; sei de onde vim, sei para onde vou e enquanto estou no mundo sei o que vim fazer aqui. Eu vim de uma eternidade inconsciente, e o meu pai carnal produziu o meu espermatozoide que foi introduzido no ventre da minha mãe, e lá eu passei pela primeira metamorfose da vida, era um espermatozoide e hoje sou um ser humano. Muito bem, chegando aqui, cresci e produzi a minha consciência como um fruto natural, e assim quebrei o infinito do tempo em duas eternidades, uma eternidade no inconsciente que já passei e outra eternidade a nossa frente consciente, sendo a minha consciência um divisor de águas, antes e depois dela.

Só que esta fase carnal não é a fase definitiva da vida, pois a carne não tem vida própria, mas a vida é uma característica própria do espírito, e assim eu tenho que passar pela segunda metamorfose da vida dentro da minha consciência, isto é, a minha consciência deve se desligar da carne que a produziu, e se ligar no espírito de Deus pela vida eterna dela, isto mesmo, na carne eu sou uma criação descartável, e só vim nela pela consciência que produzi. Seria como o Homem que tinha vontade de voar, mas não tinha mecanismo para isto, mas criou a criação avião que voa. Então se eu perguntar, o Homem voa? Em si mesmo não, mas através da sua criação avião, ele voa. Da mesma forma o Criador-Deus não tinha mecanismo para se manifestar, então Ele criou o ser humano que produz a consciência. E se eu perguntar; Deus se manifesta? Em si mesmo não, mas através da consciência que a sua criação humana produz, Ele se manifesta, como João, o batista, disse: eu não o conhecia, mas para que ele fosse manifestado vim eu, porque sou eu, como criação, quem produzo a consciência, que é um manifestador de existência.

Nós estamos dentro de um propósito sábio e temos que colocar cada coisa no seu lugar, Criador é Criador, criação é criação e produto da criação é produto da criação. O raciocínio lógico nos diz que o que uma criação produz deve servir quem a criou e não ela mesma como todos fazem, e foi aí que o Homem comeu o fruto que não era para comer, ele vive pela própria consciência que produz. Por isso foi jogado fora do jardim de Deus e veio o castigo: do suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que tornes a terra, porque dela fostes tomados, porquanto és pó e ao pó tornarás, e até hoje os seres humanos não se arrependeram de ter comido o fruto proibido, e fora da carne voltar ao pó, vão jogar a consciência que produziram no vazio eterno, ou seja, vieram de um inconsciente eterno, e vão jogar a consciência que produziram num vazio eterno. Não adiantou de nada terem nascido neste mundo, pois foram uma criação inútil ao propósito de existir e ferraram com a própria consciência que produziram, e eu olho para a cara dos inúteis e eles me dizem; não fui eu, como Adão. Adão você comeu do fruto que eu te ordenei que não comesse? Foi a mulher que Tu puseste aqui Senhor que me deu do fruto e eu comi. Por que fizestes isso mulher? Foi a serpente, Senhor, que me enganou e eu comi, e até hoje todos dizem isto: não fui eu Senhor, foi o meu esposo, foi a minha esposa, foi o meu filho, foi o meu irmão, foi o meu… e ninguém assume a culpa diante de Deus e ainda fazem pior, isto é, não se corrigem, era para o espírito de Deus se manifestar pelas nossas consciências e não a carne.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + sete =

Categorias

Postagens Rescentes