O mundo dos perpétuos

É uma coisa até esdrúxula, mas os seres humanos agem como se fossem perpétuos, não sabem se vão virar a esquina, e montam projetos de décadas. O que me interessa as coisas deste mundo depois que eu morrer? Eu sei que depois da minha morte nunca mais voltarei a este mundo, para que deixar as coisas aí, pra quem? Por que já não repartir a herança para os filhos em vida? Por que ter que morrer para arrumar brigas entre os herdeiros? Está vendo que você não quer deixar seus bens para ninguém, vai levar pra onde depois que morrer? O ser humano é muito insosso, não tem sabor, não adoça o paladar, é duro de engolir. Eu me sinto muito mal neste mundo, queria só ficar conversando sobre o propósito de Deus, não vejo mais graça em nada daqui, sempre pensei em me isolar, me tornar em um eremita, sem ninguém ao meu lado. A questão não são as pessoas, pois elas estão no habitat delas, mas sou eu que estou fora do meu habitat, a questão é o clima deste mundo, os ares. Eu não consigo respirar a paz neste mundo, aqui não se alimentam da sabedoria e nem se vestem do amor fraternal, todos aqui têm os olhos altivos da cobiça. Vocês me permitem discordar? Eu queria mudar esta realidade, mas se nem Deus muda, o máximo que Ele pode fazer é acabar com o planeta, mas não consegue mudar a realidade.

Eu só posso lamentar como Jeremias, não é que eu seja pessimista, mas qual é a realidade do mundo? Você acredita que o positivismo possa mudar o mundo? De que adianta fazer vistas grossas e viver com medo de tudo? Este mundo já chegou no seu ápice de degradação.

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =