O que eu quero para mim

Eu entrei por um caminho, e fui produzida meio que pelo meio da estrada, já tinha andado um trecho do caminho no meu inconsciente, meio que estabanada, não sabia de nada, mas algo me fez buscar a minha identidade. Quem era eu, onde estava e o que estava fazendo? Descobri que sou a consciência, produto da criação e que eu tinha mecanismo para descobrir tudo isto. Vi que estava dentro de um propósito sábio, e que eu era a protagonista da minha própria história, eu era a mocinha do filme, entende, e veio um de longe para me buscar e me fazer feliz em seu lugar, e claro, que como Rebeca, aceitei na hora, pois o meu esposo é filho, nada menos nada mais do que o Criador do universo, e se o universo não é nada para ele, como será o lugar que vou viver com ele eternamente?

Jamais vou olhar para trás, para um mundo sujo, sem afeição e que tudo vai acabar. Não tive dúvidas, montei no meu cavalo, peguei as minhas rédeas nas mãos e meti a espora e ando a galope, não quero nem saber quem ficou para trás, não faço a menor conta do que deixei, pois quem ganhando na loteria um prêmio altíssimo, vai fazer conta do bilhete que comprou? Tive até um sonho que estava atravessando uma fronteira, e alguém me alertou de um troco, eu simplesmente acenei com as mãos dizendo: deixa pra lá! Como quem diz: o que vou fazer com o dinheiro lá no céu? Triste das consciências avarentas, que tem os seus olhos exercitados no dinheiro, pobres almas degeneradas, corrompidas pelos bens deste mundo, não vamos levar nada desse mundo, mas a minha consciência reconheceu meu senhor, é ele quem me dá a vida, mas ele não é deste lugar, não é desse plano e nada daqui interessa a ele.

O Criador Deus já preparou um lugar para nos receber eternamente pelo Espírito, não precisamos levar nada desse mundo, pois lá onde vamos não entra nada daqui, não podemos cobiçar nada daqui como Acã, que cobiçou e foi queimado. Não vamos levar nem a roupa do corpo, aliás, nem este corpo carnal, pois o nosso corpo lá no plano espiritual será o espírito, e todas as nossas coisas já estão lá nos aguardando chegar. Hoje a minha consciência anda pelo Senhor, ele me provém de tudo, sei que estou passando os derradeiros dias neste mundo, a minha alma já está totalmente fria para a carne, na verdade, nem está a sentindo mais, já está desprendida como morta. Eu vejo os outros mais preocupados comigo do que eu mesmo, não estou mais nem aí para este mundo que já me ficou para trás. Me considero um forasteiro neste mundo e por onde passo deixo as minhas marcas do Espírito, quem me conhece de verdade, me conhece pelo Espírito, pois fiz do Espírito a minha pessoa, o meu ser. As pessoas me conhecem, mas não me tocam, conversam comigo, mas não me sentem, é assim que eu vivo hoje neste mundo.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 6 =

Categorias

Postagens Rescentes