Palidez na face

Não adianta se disfarçar porque vejo a palidez em todos os rostos quando falamos da morte. A morte é o fim do caminho da carne, você pode ter sido quem for na carne, mas a morte é o fim de tudo, é a desgraça de toda consciência que andou pela carne, e não tem consciência que ande pela carne que sorri um sorriso espontâneo de felicidade, mas toda alegria e prazer que a carne provoca é restrito a condição mortal dela. A própria consciência carnal sabe que tudo isso acabará, ela vai para debaixo da terra, a consciência cairá no vazio eterno, o espírito voltou a Deus e a consciência nem viu. Hoje, ainda está tudo junto, a carne, o espírito e a consciência, mas uma hora cada um vai para um lado, o pó volta ao pó como era, o espírito volta a Deus que o deu e a consciência cairá no vazio do nada, nem voltou com o espírito a Deus e nem ficou com a carne que morreu. Triste fim para quem um dia pensou ser alguma coisa, estava com a vida eterna nas mãos e deixou escapa-la, não buscou conhecer o caminho da vida, mas só andou pelo caminho da morte, esperar o que de uma consciência dessa?

Jesus já morreu no meu lugar e ele virá me buscar, mas a face está pálida e não quer morrer para esperar, pois sabe que ele nunca virá. Sabe que o propósito de Deus não funciona assim, quer acreditar nisto, mas não se entrega à morte, pois sabe que uma vez o espírito foi embora, nunca mais voltará outro para te buscar. O espírito de Deus já está em nós hoje, por que esperar por outro que não virá? Os judeus estão esperando pelo Messias até hoje, morrem, morrem e o Messias nunca aparece para eles, mas o Messias já apareceu para mim, estendeu sua mão a minha consciência e disse: venha, que te levarei para o céu e lá viverei pela tua consciência eternamente. A minha consciência não pensou duas vezes, se entregou ao espírito de Deus e fez dele o senhor dela e a minha carne se alegrou muito de ouvir a voz do esposo e este meu gozo já está cumprido, que o espírito agora continue com a minha consciência e que eu morra de prazer com a minha parte cumprida dentro do propósito de Deus.

Eu glorifiquei o Criador Deus na Terra, tendo concluído a obra que me deste a fazer, a minha consciência também chora de prazer, de continuar com a vida do espírito lá no plano do céu. Hoje, a minha consciência já sente a satisfação de Deus, de haver cumprido o seu propósito, vou lembrar da minha passagem por este mundo e de todo caminho que trilhei para chegar a minha vida eterna lá no céu, e vou me encontrar com todos os meus irmãos que lá estão, só sei que será uma grande festa.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário