Que desgraça

Outro dia eu vi uma cena desesperadora

Alguém disse que “a vida futura não é mais pra mim”,

Vou viver esta vida que tenho ainda na carne,

Vou gozar os prazeres da carne até o meu fim!

 

Eu chorei de ouvir tal relato de uma consciência

Me choquei pela frieza com que me falou

Parecia que estava tão certa das suas palavras

Que deixei de falar do amor e fui para casa dormir

 

Que desgraça, o fel desta vida, que desgraça

Eu choro perdido, que desgraça, não tem mais saída, que desgraça

 

Eu ainda estou caminhando por este deserto

Sei que a vida ainda depende do amor e da compreensão

Os ardores escaldantes do sol batem e queimam a minha face

E a noite o frio e o sereno não me deixam dormir

 

É melhor eu sofrer no caminho que me conduz a vida

À que ter minha alma perdida na escuridão

Você pode até ser feliz nesta vida maldita

Mas a morte será uma tragédia mostrando o seu fim

 

Que desgraça, o fel desta vida, que desgraça

Eu choro perdido, que desgraça

Não tem mais saída, que desgraça

 

O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =

Categorias

Postagens Rescentes