Quem são os palhaços da história?

Tudo em meio a escuridão, o circo já está armado, mas cadê os palhaços? Um grande espelho foi posto no meio do palco e a plateia começou a rir de si mesma. O show já começou, o mágico já começou com suas ilusões, quem quer ver as minhas mãos? Elas já estão em seus bolsos, pondo as mãos no meu coração. É ele que pulsa o meu sangue, quem cura não sou eu, sou só o caixa dos milagres. Para mim não tem o tamanho da bênção, só o que me conta é o tamanho da sua fé. Abra cadabra, ponha a sua fé ali na caixinha da igreja, e fica esperando o seu milagre. Você está na porta da esperança, tenha fé em deus, tenha fé na vida, tenha fé em você mesmo. Hoje o show já terminou, mas sexta as dezenove e trinta, venham para a próxima sessão, mas venham com muita fé no bolso, porque senão a coisa ruim vai te pegar.

O mundo está perdido, as trevas cobriram a terra e todos andam apalpando como cegos, e os mais altivos iludem os mais humildes, que não veem a saída. Não dá para falar de raciocínio nos becos, trata-se de uma luz muito forte que ofusca os olhos. Triste para eu ver o espetáculo do lado de fora, vejo os escroques enganando a plateia, nada desse lado, nada desse lado, e com um pouco de habilidade o milagre aparece. Já tinha sido dito, e farão tão grandes sinais e prodígios que se possível fora enganariam até os escolhidos. Há um caminho no sol que os justos passam por ele, mas os cegos nele cairão. O grande espetáculo da vida se passa dentro da alma, mas os palhaços lotam os circos, querem ver sinais, magias negras e habilidades com as mãos. Os contorcionistas distorcem a realidade para sair airosamente com a grana nas mãos. Os malabares não deixam a peteca cair no chão, um sai e outro entra com as mesmas habilidades, e o povo fica paralisado com suas Ilusões de enganos. Os mágicos fazem desaparecer o dinheiro do seu bolso sem que você perceba, e toma gargalhada dos palhaços, que comem merda pensando que é pão.

Até as crianças entram neste espetáculo, um batismo não sai por menos de cem pilas, para os adultos um indulto de perdão, e até para os mortos temos uma solução. Sempre tem uma doutrina que cabe no seu entendimento, quer seja no domingo, quer seja no sábado, a casa do senhor não pode ficar vazia. Meu, me dá até um negócio no meu coração, um espetáculo com um final trágico. Todos são protagonistas da sua própria destruição e não tem como reverter esta situação. Eu fico só, com o meu peito apertado, vejo até alguns queridos se lançando em seus nadas, sim, é de doer o coração a falta da compreensão, muitos anos no caminho e até hoje não encontrei nenhum irmão. Tenho que andar assim com o coração ferido, chorando as minhas despedidas.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =

Categorias

Postagens Rescentes