Realidade

A tua consciência pode sonhar, pode fantasiar, pode até mentir, mas a realidade nunca muda. Sempre quando você acorda dos seus sonhos e enxerga onde você está de verdade, a realidade bate forte no seu coração. Duas coisas te acompanharão por toda a sua vida depois que você produzir e amadurecer a tua consciência, a primeira é o complexo de culpa, que é você deparar com a sua própria existência, ter a sensação de que tem que fazer alguma coisa e não saber que coisa é esta, e a tua consciência se sente culpada o tempo todo com um desejo enorme de pedir perdão para um suposto Criador. A segunda coisa é a crise de identidade, que é você não se identificar como ser, isto é, você sabe que existe, se depara com a morte e não se identifica como ser, ou ainda, sabe que está neste mundo, mas de fato, não sabe o que veio fazer aqui, não consegue se identificar com nada. Só sabe que existe, mas não pode falar como Jesus que disse: sei de onde vim, sei para onde vou e enquanto estou no mundo sei o que vim fazer aqui. E quando uma consciência não sabe a razão da vida, e consequentemente não realiza a sua função como criação, ela vive, mas passa o tempo toda perturbada por erro de função, e é aí que cada consciência entra no achismo, isto é, cada uma acha uma coisa e tenta viver pelo que acha, mas como elas estão muito longe da realidade, continuam vivendo perturbadas, porque, mesmo elas não conhecendo o propósito da vida, a realidade bate forte dentro delas, isto é, elas sabem que a realidade é outra.

Por isso um filósofo, Friedich Nietzsche, disse que deus é uma necessidade humana, isto é, o ser humano necessita de um deus para se identificar com ele, tipo assim, uma aprovação do que ele faz, e o suposto deus que o ser humano cria na cabeça dele, é irreal e é por isso que as consciências não querem se deparar com a realidade delas, porque o deus que elas criaram aprova e faz tudo que elas querem. Mas lá no fundo da alma, toda consciência sabe que está dentro de um propósito sábio e que a realidade dele é uma só e não muda. Na verdade, as consciências mudaram a realidade das coisas, não é o Criador que tem um propósito e que criou o corpo carnal delas, mas cada uma delas criaram um criador e que realiza os desejos carnais delas, como Paulo disse: mudaram a verdade de Deus em mentira e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. E é esta realidade fria e verdadeira que apoquenta as consciências humanas, e quando as consciências, mesmo no inconsciente, se deparam com esta realidade, elas estremecem, e o pior é que as consciências não buscam e nem querem se deparar com esta realidade, pois esta realidade tira as consciências de tudo que querem neste mundo.

Seria uma troca de existência, as consciências teriam que passar por uma metamorfose existencial dentro delas, seria um novo nascimento, perder tudo que tem e que busca ter neste mundo pela vida eterna do espírito lá no plano do céu. Literalmente é uma troca de identidade, uma troca de ser, uma mudança radical de planos, mas como foi o corpo carnal que produziu a consciência, ela está ligada à carne como um fruto natural, e mesmo sabendo que este corpo carnal vai morrer, a consciência vai com ele até o caixão e não se desvia desse caminho. Pior é que depois que a carne morrer, as consciências cairão no vazio eterno sem volta e sem perdão. Então temos este impasse dentro do propósito de Deus, de um lado, Deus com o seu propósito nas mãos, e do outro lado, as consciências de costas viradas para ele.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 14 =

Categorias

Postagens Rescentes