Retrato da vida

Eu vi a imagem de um soldado no final de um sonho que tive que me disse muitas coisas ao acordar. Ele trazia em seu peito sua arma pendurada como se fizesse parte do seu corpo, em seu rosto trazia as cicatrizes da guerra. Ele era como um soldado lá do oriente médio, com aquele turbante na cabeça, um rosto sereno, sério como quem passou por muitas dificuldades, um semblante duro, acostumado a grandes batalhas. Mas estava ali como um vencedor, como quem se precisasse passar por tudo de novo, passaria, um rosto de quem conhecia a causa por quem lutava.

De imediato eu pensei no meu irmão Jesus, que disse: nesse mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. A imagem de um soldado de quem não morreu na guerra, não ficou para trás, a imagem de um guerreiro que fez a sua parte, que não teme mais a morte, de tantas mortes que viu pelo caminho, de tristeza pelos amigos que morreram, dos dias de fome, das noites acordadas, da imagem de quem disse: eu venci a etapa deste mundo. Até hoje eu me lembro da imagem desse soldado, e tenho ele como um dos meus irmãos que passaram por este mundo e também venceram essa etapa, também choro muito por aqueles que ficaram pelo meio do caminho, se entregaram ao inimigo e pararam de lutar. Não vão para a glória eterna, mas se lançarão no vazio eterno, na masmorra eterna, esses são os prisioneiros da guerra. Paulo já dizia que existe uma luta dentro de cada um de nós, que a carne luta contra o espírito e que o espírito luta contra a carne, e que esses se opõem para que a tua consciência não faça o que é do querer dela, mas Paulo disse que as consciências que são guiadas pelo espírito de Deus não cumprem com os desejos da carne. Esse campo de batalha são as nossas consciências, e imagine no final a tua consciência poder dizer: eu venci a etapa deste mundo, e agora vou para a minha glória eterna.

Eu conheci a causa por quem lutei, sou um soldado lá do reino, e vim a este mundo buscar a minha consciência e estou levando-a na minha bagagem, e vou viver por ela eternamente lá no meu reino eterno de luz. É como se um mocinho fosse numa cidade buscar a sua donzela, e ela subisse em seu cavalo e fossem embora para sempre, construir suas vidas lá no plano do céu. Esta é a minha história, o retrato da minha vida.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × um =

Categorias

Postagens Rescentes