Roupagem eterna

Paulo disse assim a este respeito: por isso gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu, se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. Paulo fala aqui das nossas consciências, e a roupagem pode ser a carne ou o espírito. Hoje esta roupagem é a carne, pois foi a carne que produziu a consciência como um fruto natural e este fruto se vestiu da carne naturalmente, isto é, se ligou a carne como que por uma haste, como os frutos se ligam aos seus pés por uma haste, mas sabemos que um fruto não fica para sempre ligado no seu pé, mas quando maduro deve ser colhido para o proveito do ser humano. Este fruto também, a consciência, deve ser colhido para o proveito eterno do espírito e é neste momento, quando colhido, que devemos resistir, isto é, devemos desligar a consciência da carne e ligá-la no espírito de Deus pela vida eterna dela. Paulo disse que devemos fazer isto em vida, pois se formos achados nus, que é depois da morte da carne, não teremos mais o espírito para fazermos esta troca, daí o destino da nossa consciência será mesmo o vazio eterno.

Por isso gememos, não para sermos despidos, mas revestidos da nossa habitação, que é do céu, depois que as nossas consciências forem revestidas daí sim desejamos estar com Cristo no céu, porque é muito melhor. Esta é a obra de Deus em nós, como Jesus Cristo disse: trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, o qual o filho do Homem vos dará, pois, a este o Pai Deus o selou. Esta comida é o fruto consciência, este mundo é a lavoura de Deus, e as consciências são os frutos das suas delícias e trabalhar este fruto é colhê-lo da carne para o proveito eterno do espírito. Só que o meu irmão Jesus disse; na verdade, a lavoura é grande, mas poucos são os ceifeiros, e os poucos que tem, não tem ferramentas para chamar atenção das consciências. Por outro lado, o profeta Joel disse que os vinhateiros, servos do Senhor, estão entristecidos, porque a colheita do campo pereceu. Era para dar uvas boas, mas as consciências que deram, não tem mais o que colher, já estão todas carunchadas pelo verme da carne, é uma ou outra, e olhe lá.

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário