Saiu do paraíso

Toda pessoa feliz parece uma criança, porque as crianças sempre são felizes, não importa a situação, elas brincam até com a solidão. Seus olhos são serenos, puros sem má intenção, são espontâneas e verdadeiras. Elas não tem nenhuma preocupação se tem um banquete na mesa ou um pedaço de pão não faz diferença, não se importam com os pés descalços, nem com a roupa rasgada, se chover elas brincam, se fizer sol elas brincam da mesma maneira, pois a simplicidade faz parte da sua natureza. Conforme ela vai crescendo é que começa a se fascinar pelas coisas deste mundo, daí vai distinguindo o que é bom para a sua carne e o que é ruim, antes disso tudo é bom ou está bom, mas vai crescendo, vai escolhendo os amigos, as amizades e até seus trajes de roupas. Aquele paraíso vai ficando para trás e as ilusões do mundo começa a trazer os ais. Saem do natural, mudam as características, os trejeitos, as expressões e o semblante perde toda aquela serenidade e aquela pureza que um dia fez parte dela não mais se vê, pois deu lugar a vaidades e tudo que lhe importa é um corpo bonito para oferecer como mercadoria exposta. Trocou a inocência por incontáveis máscaras, se tornou como o camaleão que muda sua cor para camuflar as frustrações do seu estado psíquico, tornou-se semente corruptível, o que dantes era puro e sem maldade tornou-se em dores e lamentos. Não atentou para o propósito do Criador-Deus, e cada um traçou seu próprio caminho e anda por ele e uns atropelam os outros e todos se machucam, por isso nós só ouvimos lamentos, suspiros e ais. É muito triste e trágica a realidade que testemunhamos e o pior é que ninguém percebe, sentem mal, vazios por dentro, carregam um grande complexo de culpa, mas parecem hipnotizados, nada acorda as consciências desse transe carnal, todos andam numa corda bamba, vivem uma vida vazia e a mente cheia de preocupações, perdem até a sanidade mental por ligações a bens carnais, os valores se inverteram e quem precisa de cuidados é jogado na sarjeta, os menos favorecidos se tornaram como pedra de tropeço no meio dos avarentos que só visam o seu bolso cheio, pisam na cabeça de quem menos tem, porque são amantes do dinheiro, mas quando seus corpos estiverem dentro de um caixão e suas consciências sem vida, verão que tudo que juntaram neste mundo não valeu nada, pois do que valeu ganhar o mundo e perder a sua própria vida?


Somando nossas luzes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + dezenove =

Categorias

Postagens Rescentes