Sentimentos

Para destrincharmos bem sobre sentimentos, devemos ressaltar que temos três fontes de onde se originam os sentimentos, pois hoje temos em nós a carne, que é a criação (matéria), a consciência, que é o produto da criação (neutra) e o espírito que nos vivifica que é uma porção de Deus (Criador). Na carne, temos os sentimentos fisiológicos, ou seja, físicos, como a fome, o frio, a sede, o sono, entre outros. O espírito também tem seus sentimentos, por se tratar de uma existência, como está escrito: a minha alma tem sede de Deus, e nós também nos alimentamos no espírito, assim como nos alimentamos na carne. Porém, não vemos o espírito nesse plano material, por habitar o plano espiritual. A consciência, por ser um campo neutro, é que manifesta todas as coisas, tanto as necessidades físicas da carne, quanto as necessidades físicas do espírito, quanto as próprias necessidades afetivas dela mesma, como os sentimentos de afeição, empatia, tristeza, felicidade, etc. Por isso é importante distinguirmos cada sentimento para sabermos de qual natureza ele se origina para não fazermos lambança no entendimento, até mesmo porque devemos enxergar o que é natural, e o que são os frutos da carne e do espírito, pois tudo da carne que atravessa a linha do padrão natural é pecado e é neste ponto que a consciência deve compreender e colocar em ordem todas as coisas, pois será assim que ela terá o domínio próprio, que é um dos frutos do espírito, mas para ter os frutos do espírito é necessário planta-lo na consciência, desligar-se da carne e deixar de plantar sementes carnais, para que assim ocorra a transformação da consciência. Por isso é essencial fazer uma varredura muito profunda no nosso interno, para não deixarmos partícula alguma escondida da carne, que assim venha se tornar em sentimento, pois qualquer semente carnal cresce e dão seus frutos e são estes frutos que fazem com que a consciência perca a vida eterna do espírito. É um trabalho delicado que requer muita dedicação da própria consciência, que deve ser muito sóbria e ciente do propósito de Deus que estamos dentro, pois para cumprirmos a lei de Deus é necessário separarmos todas as coisas e os sentimentos de afeição e ligação só devem ser pelo espírito, pois só assim galgaremos a nossa vida eterna.

Somando nossas luzes

Por Lauro e Michele

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =