Ser alma

O jardim pode estar bonito e as coisas em seu lugar, mas quando entra em seu leito, por que se põe a chorar? A vida é a coisa mais valiosa que uma consciência pode ter, mas nem Deus soube explicar o porquê a consciência não consegue se desvencilhar da carne que morre, e ligada a ela acaba sentindo o peso de seus erros, e nunca encontra sua paz verdadeira. O tempo está passando, e você nem percebeu, que a carne um dia morre, e sua consciência do céu se perdeu, só há uma coisa que precisamos fazer neste mundo, por isso temos que derrubar a estrutura carnal dentro das nossas consciências e edificar o espírito de Deus, devemos purificar nossas consciências até se tornarem alma, só assim estaremos prontos para sermos a morada do Senhor, pois sabemos que não podemos voltar no tempo para corrigirmos nossos erros, porém, melhor não errar agora para que no futuro não nos arrependamos. Por isso, é necessário, termos ciência de como realmente nossa consciência é por dentro, para derrubarmos todo alicerce e muralha da carne.

O caminho da vida é trilhado no inverso de cada consciência, e é lá no profundo da alma que o ponteiro fiel da balança não falha, mas aponta para o peso exato, cada passo a consciência deve enxergar para ela não se perder, pois um deslize, colocará tudo a perder, a percepção dos detalhes faz toda a diferença, sejamos atalaias do alto, cuidando principalmente dos nossos montes, pois não importa se doamos nossas ações a vida se não tiramos a morte de nossos corações. Ninguém enxerga a grandiosidade que tem uma consciência, que cabe o reino de Deus dentro dela, o Altíssimo que criou tudo, deseja a tua consciência pelo espírito. A minha alma chegou num estágio que nada mais a toca, para dizer a verdade, o caminho do gólgota me é um prazer, não que não vá doer, mas como uma jovem disse, a dor de dentro é muito maior que a dor de fora, não tenho mais esperança de nada neste mundo e o morrer para mim é ganho.

Hoje enxergo, hoje eu sou o próprio espelho, sou a consciência, é o que sou, e pela vida viverei! Meu Senhor clama em mim sua voz, que diz em alto e em bom som: “Eu Sou a naturalidade do curso vívido das cascatas que entre os rochedos desliza águas límpidas. Sou comunhão de alianças eternas e escada, que por meus degraus os justos subirão ao céu. Sou o apoio dos fracos que lutam pela liberdade e o lenço dos fortes que deságuam os olhos sinceros diante minha face”, e a vida foi-me apresentada, e das águas foi surgindo, cada passo era para cima, e assim foi a mudança para o Cristo, quando completa, o céu foi aberto, e a transladação já era exata.

 

Por todos os irmãos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − doze =

Categorias

Postagens Rescentes