Silêncio que ecoa

Uma tamanha grandeza

Que não tem como decifrar

Não está longe dos seus olhos

Muitos menos no fundo do mar

 

Ela se mostra com maestria

Com uma simplicidade sem igual

Quem tem ela consigo

Enxerga a mão do ser divinal

 

Ela mostra coisas excelentes

Que deixa a alma salutar

Ela é conselheira dos simples

E inimiga dos mortais

 

Ela ensina seu preceito reto

E preenche seu coração

Sela consigo seu mandamento

Te mostrando o caminho da salvação

 

Para compreender seu sonido

Tem que deixar o silêncio falar

Deixa-lo ecoar no interno

Para as maravilhas do céu contemplar

 

Os sons dessa Terra ensurdecem

E adoecem o coração

Não deixa que os ouvidos ouçam

O entoar da sua razão

 

A visão torna-se turva

Deixando tudo encoberto

Por se limitar na sua busca

E não ver a mão do eterno

 

Tudo claro a sua frente

Nitidamente como se vê

Porque buscar do lado fora

Colocando tudo a perder?

 

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × cinco =