Tanto faz

Tanto faz que tanto fez, onde vão seus olhos? Viajam pelo infinito e se encontram sem órbita, tanto fizeram que se perderam, e tanto acharam que esqueceram, são vozes mentirosas que todos a têm, abraçam o conforto por serem refém. Tanto faz, tanto fez, olhou para o lado e se esqueceu, agiu por impulso e não percebeu, instinto primitivo de animais que não raciocinam, passos rasos, coração vazio, preencheu-se de falhas e foi buscar suas mágoas. Tanto faz, dizem pelo mundo, mas abraçam o mundo e tudo que nele há, estranho é perceber que mesmo as estrelas que contornam o infinito caem de seus impérios, mesmo os campos que florescem na primavera murcham no inverno, e os dias que pareciam eternos se findam como um sopro frívolo, e tudo passa, como as folhas no outono, e tudo morre, por ser matéria, por ser morta, por ser o que é, e não há volta. Mas tanto fazem que se esquecem que não podem, ou melhor, que não há tempo para tanto fazer, que se perdem nos sonhos e esquecem que flutuam, laços rasos, maré baixa, mergulha e se encontra cedo demais, quando na verdade está muito longe para se refletir, e os nós feitos desapercebidos, puxam a corda e corroem seus pescoços, uma forca que não sufoca, mas aos poucos corrói o tempo, e leva consigo a sanidade da alma perdida. Quem se enxerga livre e está com os pés presos nunca alçará voo, quem se enxerga bem e não está nunca sorrirá de verdade, e quem diz ser algo que não é nunca se conhecerá por dentro, e dizem por aí que tanto faz, mas por que dói seu coração se não o fizer? O astronauta não para na atmosfera, o mergulhador não desiste na beira, as aves não param no meio da migração e desistem, e por que sua alma desiste de se conhecer e viajar em seu próprio universo? Não se conhecer é perigoso para qualquer um, e é tão comum, como um veneno, se alastra devagar, hoje enxerga as penumbras e amanhã nem mais a escuridão é discernida, como sair do lugar se não sabe o destino? Se cair é só levantar, se perder é só se encontrar, mas assim como tanto fazem sem perceber que estão entristecendo os céus, assim também se perderão pela eternidade sem perceber que o tempo de fazer alguma coisa de fato, acabou.

 

Por Luiza Campos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 7 =