Tempestades da vida

Em meio ao alto mar de ondas grandes

Atraquei-me ao meu eterno cais

Fiz dele meu porto seguro

E não temo a mal algum, jamais

 

Confesso que o meu barco balançou

E logo começei a me perguntar

Será que irei naufragar junto aos incrédulos

Ou Deus está dele a cuidar?

 

Chorei ao ver um turbilhão de ondas

Fiquei por um tempo sozinho a repensar

Quantas coisas me sobrevieram!

Para que eu continuasse firme a remar

 

Foi necessário passar pelas ondas

Atravessar as tempestades da vida

Mergulhar no profundo de meu abissal

Para sentir o mar em plena calmaria

 

Foi um percurso que tive que caminhar

E somente fechei os meus olhos

Ouvi a voz dos céus a me falar

Dizendo-me em tom suave: confie, você passará

 

A ternura de suas mãos me conduzia

E sua voz me apontava a direção

Aonde meu barco se encontraria

No meio de toda aquela imensidão?

 

A bonança se fez presente em meu peito

Quando a tempestade daquele mar passou

Senti o alívio da maré baixar

E compreendi que foi necessário por amor

 

Hoje o mar não está mais revolto

E vejo a tranquilidade nas ondas do mar

Sinto a brisa leve bater em meu peito

E o frescor dos céus a me tocar

 

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + dezesseis =

Categorias

Postagens Rescentes