Tempo atroz

Tempo escasso

Se tornou fugaz

Pensamentos perdidos

Que não voltam mais

 

Não procura reconhecer

Como irá perceber?

Um tempo que se esgotou

Que se findou e acabou

 

Até quando não perceberá

Que a insensatez tomou lugar da razão

Seu sentido corrompeu-se

Apagado se encontra na escuridão

 

Só se ouve o tilintar

Das batidas do coração

Mas não se vê o manifestar

Da verdadeira e real ação

 

Perdeu o tempo precioso

Aonde mais o achará?

Desvestiu-se da vestimenta eterna

E nu eternamente ficará

 

A fagulha esteve acesa

Mas por suas mãos apagou

Não percebeu há tempo

E com o óleo não molhou

 

O tempo é cruel inimigo

Que assola todo coração

Que prendeu-se nas amarras

Desta vida de ilusão

 

E se esvai todo o tempo

Que perdeu com a loucura

Até onde vão seus tropeços

E sua vida de amargura?

 

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − oito =