Um bordel

Dê-me um cálice da solidão

Pois eu já me embriaguei muito com esta vida

Me tornei um ébrio

Pois nunca me correspondi com o amor

 

Nasci neste mundo

Cresci, produzi minha consciência

E a joguei na lama

Agora não sei o que fazer

 

Agora bebo pra esquecer

Engulo a solidão por não ter mais você

Veio de Deus para me buscar

Mas eu lhe virei as costas para vadiar

 

Não quero mais te encontrar

Fiz da minha alma uma casa de bordel

Amantes largados e apaixonados

Eles estão comigo, mas eu não estou com eles

 

Sou só no meio da multidão

Fiz da minha vida solidão

Não tenho mais com quem conversar

E só ouço blá, blá, blás

 

Ouvi falar de um tal espírito

Que veio do céu pra me buscar

Mas não o vejo, não o sinto e nem sei onde ele está

E vou ficar com esta vida que me ofereceram

 

O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 1 =

Categorias

Postagens Rescentes