Caminho interno

Um dos pontos cruciais dentro do caminho da vida é a nossa consciência leva-lo a sério, nós estamos dentro disso, mas temos que senti-lo para que possamos nos desenvolver e passar a sentirmos o metamorfosear dos nossos corações, ninguém deve estar lembrando ninguém de nada, pois vemos tal grandeza, descobrimos o lírio eterno da vida, desvendamos o segredo de Deus, encontramos a beleza dos mais ricos tesouros, a mais linda pedra preciosa, o diamante vivo das nossas consciências, então, não tem como esquecer de tamanha riqueza que descobrimos, eu achei, pois eu sempre digo que foi Deus quem me achou, foi Deus quem me lavou, quem tirou meu coração das mãos do engano, foi Deus quem me libertou das correntes que me prendiam a besta, foi Deus quem abriu a cela dos muitos cativeiros que me manteve presa, foi Deus quem retirou a pedra da sepultura a qual estava enterrada, Deus deu luz ao meus olhos e vivificou o meu coração com a vida, não tem como esquecer de uma coisa que eu faço parte, dos milagres que aconteceram na minha vida, pois Deus é parte da minha nova história, história essa que Ele já tinha escrito na porta do meu coração, história eterna que ultrapassa as barreiras da morte, mas que se trata de um caminho, uma verdade, uma vereda interna trilhada por minha consciência, onde o entendimento lúcido e toda a compreensão já fez uma grande mudança em mim, um grande divisor de águas em meu profundo, mas não para por aí, pois uma coisa é sentir-se maravilhada com a sabedoria e querer escancara-la a todos que ainda estão no breu da ignorância, e esquecer do principal, o limpar o próprio espelho, é de fato confinar-se e sentir a ação da vida nos transformar. A própria mão de Deus por sua ação nos impulsiona por seu instinto mostrando que não é só o superficial, então vem o período de negar e deixar as coisas que se mostram na superfície de nosso oceano e a voz de Deus continua ecoando lá do profundo dizendo, mergulhe mais, então ficamos maravilhados com mais descobertas, mas também enxergamos coisas adormecidas que nem imaginávamos ter ali e sim, é preciso retirar tudo do velho ser, não é só tirar das vistas e romper o físico, e vemos que vai muito além de mergulhar nas águas, é preciso passar pelo fogo para extrair o mais puro do meu coração, chega aquele momento que dizemos, até quando senhor? E ele responde: até não sobrar nenhuma raiz de sentimento carnal, perder a sensação, romper o fio invisível que um dia te ligou a esse mundo. Então vemos o quanto ainda falta, mas a necessidade de tornar-se do agrado do Altíssimo cresce e alimenta nossa força e vontade de vencer, até que possa sentir e dizer, concluí a obra que me destes a fazer.

Por Maria Lúcia e Michele

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =