De mim, para mim mesmo VIII

Muitas das vezes me pego pensando, onde estou ligado, onde preciso melhorar, e sempre tenho a resposta, sempre nitidamente, talvez demora, mas nunca falha, às vezes perguntamos e não nos atentamos a resposta, o espírito de Deus nos ajuda e nos guia sempre, basta nos entregarmos a ele, uma relação exige dois lados, não tem como apenas um se esforçar e fazer por onde. O que estamos fazendo? Estamos sendo úteis para o nosso Criador? Reflexões que devemos fazer constantemente, pois não sabemos o dia de amanhã, e talvez o amanhã não chegue, imagine passar uma eternidade vazia, o sofrimento que teremos, e tudo por culpa de nós mesmos, estaremos nos lançando no vazio, e o pior de tudo, sabendo. Diversas vezes me sinto estagnado, parece que não caminho, não por falta de querer, mas sinto uma força que me contamina, porém o querer tem que ser tão forte dentro de nós, ao ponto dessa força ser inofensiva, tudo depende exclusivamente de cada um, eu não posso andar por ninguém, assim como ninguém pode andar por mim, a ajuda que temos é desse espírito que habita em nós, devemos nos entregar a ele, esse mundo não nos pertence, e tudo aqui é morto, uma hora ou outra veremos o quão tolo somos e fomos por ter deixado passar a única oportunidade em nossas mãos, então vamos andar dentro deste caminho enquanto ainda temos tempo, não podemos ser só mais um no esquecimento.

Por Arthur Campos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − dois =