A ti ressalto o meu amor

As palavras que expresso em papel

São dedicadas ao meu Senhor

A ele clamo e tenho sede do saber

Somente ele que me preenche do amor

 

Em meus atos procuro honra-lo

Dignifica-lo, respeitando nossa relação

Estreito a cada dia com verdade

Pois seu acalento é suave ao meu coração

 

Me é salutar sentir suas mãos a me tocar

São tão leves, como as plumas a voar

Às vezes podem pesar pelo corrigir

Mas são necessárias para no bem me instruir

 

De todo meu coração amo a ti

É prazeroso e não obrigação para mim te honrar

Sou esposa prudente que se apruma para ti

Ouvindo o que tens a me falar

 

Tu me eleva ao alto para enxergar a grandeza

E faz-me ver todo o universo com sua destreza

Vejo e sinto quão pequena ainda sou

Mas grande me sinto nas mãos do Eu Sou

 

Eu ressalto as juras verdadeiras a ti

Pois quem sou, se não temer a ti?

Vaso frio, cinzento e sem cor

Que não transmite nada, alma incolor

 

A sua destra me consola em todo tempo

E teu cajado me é um verdadeiro prazer

Como esposa que edifica a sua casa

Eu cuidarei dela para te receber

 

Porque tu és meu único amor

A qual dedico todo meu empenho

Estou me enquadrando no seu querer

Para que eu seja o seu prazer eternamente

 

Por Ítalo Reis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − quinze =