Palavras cirúrgicas

Quando eu morrer vocês verão que eu falava pelo espírito de Deus, pois sentirão falta da palavra que vem do céu. São palavras pesadas, mas verdadeiras e cirúrgicas, que vão lá na raiz do problema da alma, dói, mas cura, limpa a alma do pecado da carne. A carne é a impureza da consciência, tirando a carne, temos a alma pura, que é o objetivo do propósito de Deus, a alma pura para o espírito habitá-la, trata-se de um processo, eliminar a carne da consciência para a morada eterna do espírito. O que se aproveita da criação humana é só a consciência que ela produz, o resto vai para o fogo eterno sem perdão, é tolice a consciência ficar ligada à carne, pois quem não sabe que a carne vai morrer?

Hoje é o dia de buscarmos e vermos o propósito da vida, realiza-lo em nós pela nossa vida eterna, se a consciência não ver isto hoje e não realizar, cairá mesmo no vazio eterno, depois não há mais nada a fazer. É triste ver todas as consciências perdidas pelo engano, criam salvações descabidas e não se atinam para a verdade. Na verdade, não tem tempo para a verdade, mas preferem acreditar em charlatões do diabo para não saírem da carne, e eu que falo a verdade, fico aqui falando com as paredes, aquela voz que clama no deserto, eu sei que vejo a verdade de Deus, pois é o próprio Deus que me fala aos ouvidos. O que eu falo que não vem do raciocínio lógico? Não trilho o caminho do absurdo, mas extraio o mais puro leite racional e é por ele que vamos crescendo no entendimento e ficamos cada dia mais robustos no espírito, e damos desse leite e pão a todos que estiverem com fome e sede de justiça, saciamos as almas do saber. A verdade não se compra, mas pelo engano se pagam caro, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 − dois =