Meio estranho

Um dia sereno sem nuvens no céu

Parecia calmo como um dia qualquer

Mas nos céus todos trabalhavam

Sem lugar, sem tempo, o palco da vida

Dois figurantes, mas com papéis importantes

Um armado e o outro xingava

E bem no meio da história os tiros rolavam

Uma criança indefesa, não tinha para onde correr

Era assistir ou assistir a cena que do céu passava

Estava no script, cena um, chamar atenção

O gigante caiu no chão e se ofereceu para o seu papel

A criança espantada olho no olho do morto

Alguém foi embora e saiu sem avisar

Não deu para segui-lo, não deixou nenhum rastro

Para onde ele foi ninguém viu e desapareceu

A criança ficou sem resposta

Buscou, mas ninguém respondeu

Mas um dia ela percebeu que a resposta tinha que vir de Deus

Pois foi Ele quem armou o cenário

Não estava contando com a vida

Mas eu era o protagonista da história

As cenas que se sucederam os céus me contaram uma a uma

E hoje estou aqui cumprindo a última profecia de Deus

Pregando o evangelho do reino

Parece meio estranha esta história, mas foi o que aconteceu

 

Por O teu espírito diz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − 8 =

Categorias

Postagens Rescentes